Fale Conosco

Enquanto o Governador da Paraíba vai à imprensa dizer que é tudo mentira; que Pernambuco não está contratando pernambucanos para a Fiat, mas apenas inscrevendo pessoas para capacitá-las; que há um entendimento para que paraibanos também sejam contratados; que esse ‘moído’ foi todo criado pela oposição, coisa e tal, Pernambuco trabalha.

E trabalha rápido, já anunciando as primeiras contratações. Se não, veja o que disse à imprensa pernambucana esta semana o próprio Governador de Pernambuco, Eduardo Campos, do PSB, o mesmo partido do nosso Governador Ricardo Coutinho, quando do anúncio das primeiras contratações: “Esse é um momento muito importante para Pernambuco, quando nós passamos para a fase de contratação de pessoas e da construção da fábrica. Tivemos a alegria de ter hoje a primeira mulher pernambucana contratada pela Fiat e do primeiro engenheiro”, ressaltou o governador, referindo-se a especialista em Recursos Humanos, Mônica Ramos, e ao engenheiro elétrico, Bruno Rafael.

No site da Fiat, a informação publicada é de que “as obras demandarão mais de 7 mil trabalhadores e o Governo de Pernambuco, em conjunto com a Prefeitura de Goiana e municípios vizinhos, pretende recrutar a mão de obra no próprio entorno da fábrica, valorizando o trabalhador-morador, a melhor inserção social da comunidade local e minimizando pressões decorrentes da expansão populacional desordenada”. Precisa de um recado mais direto que este?

Capacitação Internacional – Outro detalhe é que o Governo de Pernambuco já está enviando profissionais para se capacitar no Instituto Politécnico de Turim, na Itália, para trabalhar na montadora. Veja o que diz o site da Fiat:

“O Secretário de Desenvolvimento Econômico, Geraldo Júlio destacou a importância da qualificação de profissionais de padrão internacional decorrente da implantação da Fiat e cumprimentou um grupo de dez estudantes de Engenharia, que vão estudar no Instituto Politécnico de Turim, na Itália, um dos mais importantes centros tecnológicos da Europa, através de convênio estabelecido para a capacitação internacional”.

Universidades indicam estudantes – As universidades de Pernambuco também lucrarão com a instalação da Fiat. E, pelo menos até agora, não há indicação de que alguma Instituição de Ensino Superior da Paraíba tenha feito qualquer indicação para a Fiat de Pernambuco. Veja o que a imprensa de Pernambuco também divulgou esta semana:

Os reitores da Universidade Federal de Pernambuco, Anísio Brasileiro; da Universidade Federal Rural de Pernambuco, Walmar Corrêa de Andrade; e da Universidade de Pernambuco, Carlos Calado; entregaram à direção da Fiat o curriculum de dez estudantes selecionados em cada universidade, simbolizando a cooperação que se estabelece entre empresa e instituições de ensino. O presidente da Fiat-Chrysler para a América Latina, Cledorvino Belini, destacou:

“Este é um momento histórico para a Fiat e para a sociedade de Pernambuco, pois estamos dando início ao processo de seleção, capacitação e contratação de trabalhadores que serão atores na industrialização e no desenvolvimento sustentável da região. Do canteiro de obras à elite tecnológica, passando pelo chão de fábrica e gestão, estamos criando oportunidades para todos os níveis de talento e habilidades, na perspectiva de promover o desenvolvimento inclusivo”.

‘Pernambucalização’ – A determinação de fechar o mercado a Pernambuco é tão presente, que já está usual, em Pernambuco, o uso do termo “Pernambucalização”. O próprio presidente da Fiat para a América Latina, Cledorvino Bellini, já usa este termo há algum tempo. Segundo ele, a Fiat passará por um processo de “Pernambucalização”, assim como houve com a implantação da unidade de Betim, em Minas Gerais.

Isso porque, segundo o presidente, a chegada e o processo da montadora será feito com base na mesma experiência de Betim (MG), que passou por uma “Mineirização”. Ele disse que, para se ter uma idéia de como foi este processo, no início da operação de Betim, 80% das peças eram compradas em São Paulo. Com a “Mineirização”, este percentual caiu para 30%. Ou seja, foi criado um novo polo de fornecedores. O mesmo que acontecerá em Pernambuco.

Mentira? – A cada dia que passa vemos que Pernambuco avança com a estruturação da equipe que vai trabalhar na montadora, enquanto o Governador da Paraíba tenta se explicar por que deu o aval para a instalação da Fiat em Pernambuco, em troca dos supostos empregos que os paraibanos ganhariam. Grande engano.

E mais: foi o próprio governador – e todos devem lembrar deste fato – quem se vangloriou de dizer que tinha conseguindo, junto ao ‘mui amigo’ Eduardo Campos, a instalação da Fábrica da Fiat mais próximo da divisa da Paraíba, justamente para que a Paraíba cedesse mão de obra. Será que teve gente que acreditou nisso?

Para completar, os pernambucanos que se inscreveram para as vagas oferecidas pela Fiat tiveram que preencher uma ficha com o endereço completo e anexar comprovante de residência. Ou seja: a comprovação de que residem, mesmo, em Pernambuco. Mas o governador continua dizendo que é tudo mentira, invencionice, criação da oposição ou de blogueiros. Lamentável…

Se não, veja o que diz o comunicado de inscrição: “Na inscrição, o candidato deve preencher a ficha com seus dados pessoais: CPF, documento de identidade, comprovante de residência e comprovante de escolaridade (com pelo menos a 4º ou 5º série do ensino fundamental), podendo, aos que não possuem o certificado, participar de reforço oferecido pelo SESI”.

Só para lembrar, as inscrições começaram na última segunda-feira, dia 05 de dezembro, prosseguindo até a quarta-feira, dia 15. Quem se inscreveu, se inscreveu. Quem não se inscreveu e tiver como comprovar residência em Pernambuco, pode baixar o formulário de inscrição através do endereço: http://sakuxeio.blogspot.com/2011/12/inscricao-para-fiat-em-pernambuco.html.

Carlos Magno