Paraíba

Enquanto demite e dá calote em servidores e fornecedores, prefeito de Campina pagou 13° salário a foragido do PB1

Apesar do prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSDB), estar alegando falta de recursos como razão para demitir milhares de servidores comissionados e cargos de excepcional necessidade, bem como não quitar débitos com fornecedores, o prefeito campinense quitou segundo mostra levantamento doo Sistema de Acompanhamento Online do Tribunal de Contas do Estado (Sagres-PB) o correspondente ao 13° salário, pago nesse mês de dezembro de 2018, para Romário Gomes Silveira (O Romarinho), acusado de explodir um banco em Campina Grande, juntamente com outras comparsas, ter trocado tiros com policiais após ataque a um carro-forte e ter fugido do Presídio PB1 em João Pessoa.

O TCE-PB revela que Romarinho teve repassado pela gestão do prefeito Romero Rodrigues no mês de dezembro de 2018 à quantia de R$ 89,01, correspondente ao período que trabalhou com Romero como comissionado no Gabinete do Prefeito com o cargo de Assessor Especial I.
Veja no link do TCE-PB:
https://sagres.tce.pb.gov.br/pessoal04.php?ugestora=201050&dt_mes=12&de_mes=Dezembro&dt_ano=2018&tipo_cargo=3&cargo=00000102

Além de Romarinho, a família Silveira continua forte na gestão de Romero, a mãe de Romarinho (Maria do Rosário Silveira), ainda continua na lista de comissionados da gestão do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB). A líder comunitária do bairro da Liberdade, Maria do Rosário Silveira, mãe do ex-funcionário da Prefeitura de Campina Grande, (acusado de integrar organização criminosa e fugitivo do PB1), foi presenteada pelo prefeito Romero Rodrigues no final do ano passado, quando seu salário foi reajustado em 100%, tendo sido elevado de R$ 2 mil para R$ 4 mil.

Até o mês de setembro passado, Dona Nenen, como é mais conhecida, recebia a importância de R$ 2 mil, igualmente aos meses anteriores, tendo sido exonerada em outubro, possivelmente para trabalhar na campanha de aliados seus do PSDB.

HISTÓRICO – Quando foi preso no dia 07 de fevereiro do ano passado, Romário também era servidor comissionado da Prefeitura de Campina Grande, lotado no gabinete do prefeito Romero Rodrigues, e só foi demitido por conta da repercussão negativa diante da descoberta do envolvimento dele com o mundo do crime.

DOADOR – Romário Gomes Silveira doou R$ 2.000,00 para a campanha a deputado estadual de Tovar Correia Lima (PSDB), em 2014. As informações são do site Eleições e Política.

Tovar obteve 30.670 votos na Paraíba em 2014. Na prestação de contas foram arrecadados R$ 248.242,00. O que chama atenção é que, mesmo tenso sido preso em fevereiro de 2018, acusado de integrar quadrilha de assaltos a bancos, Romário estava em liberdade.
Redação

 

Tags: Tags: