Fale Conosco

Publicado hoje (26) no Diário Oficial do Estado, o novo decreto do governador João Azevedo que antecipa feriados para conter o tsunami de contaminação na Paraíba, fará os municípios sob bandeiras laranja e vermelha voltarem à quarentena do início da pandemia.
A boa nova é que as restrições já em curso conseguiram reduzir a demanda de internações e diminuir a fila da morte por leitos.
Com as novas – e mais duras – restrições, a saúde estadual espera achatar ainda mais a curva de contágio.
Mas todos nós estamos sendo chamados a fazer o sacrifício.
O decreto prevê, por exemplo, barreiras sanitárias, que vão exigir explicações dos paraibanos por estarem nas ruas entre os dias 27 de março e 4 de abril.
O toque de recolher das 22h às 5h será mantido.
O decreto também fecha o comércio e amplia a suspensão das aulas presenciais para as redes públicas e privadas.
Além disso, os transportes intermunicipais e a balsa que faz a travessia Costinha/Cabedelo ficarão paralisados e os terminais rodoviários do estado serão fechados entre os dias 29 de março e 2 de abril.
Bares e restaurantes só poderão funcionar em regime delivery.
As agências bancárias e casas lotéricas poderão realizar atendimento presencial, exclusivamente para atividades que não possam ser realizadas nos caixas eletrônicos e canais de atendimento remoto, bem como prestar auxílio ao atendimento dos aposentados, pensionistas e beneficiários do Bolsa Família.
Estádios, ginásios, centros esportivos e os parques pertencentes ao estado ficarão fechados.
As missas, cultos e cerimônias religiosas presenciais também seguirão suspensos.
Dentre os serviços considerados essenciais e que poderão funcionar ao longo dos próximos dias estão supermercados, feiras livres, açougues, padarias e lojas de conveniência situadas em postos de combustíveis.
Aos negacionistas de plantão é importante dizer:
Não é sua liberdade que está em questão.
E sim a guerra contra nosso inimigo comum, o Coronavírus.
Nos dando a chance de sobreviver a mais letal e grave crise sanitária jamais vista neste país, que já nos levou tanta gente.
O programa 360 Graus apoia incondicionalmente o decreto e repete, mais uma vez:
Fique em casa.
Fique a salvo.

Ouça: