Paraíba

Descoberta a central de boatos que espalha mentiras em Patos, usando até o nome do MP

O que vou revelar agora precisa de ser apurado na esfera judicial, através do Ministério Público, pois apresento, abaixo, provas incontestáveis de que os deputados Nabor Wanderley e Hugo Motta deram a ordem para que os seus liderados inviabilizem a gestão do prefeito Dinaldinho Wanderley, em uma ação ousada de que o Ministério Público Federal classificou como “formação de quadrilha”.

Nas conversas de Wathsapp do grupo “Oposição Patos”, investigados nas operações Dom Bosco e Desumanidade, vereadores e outros integrantes deixam claro que devem promover todo tipo de terrorismo virtual para inviabilizar a gestão.

Os prints revelam também que esse grupo é a central de maldardes e boatos, como o que circulou na manhã desta quinta-feira e que afirmava que o Ministério Público tinha decidido proibir o São João de Patos, usando o nome da instituição indevidamente para espalhar o ódio e a mentira.

Vejam do que é capaz uma quadrilha, como foram classificados pelo MPE. Após serem flagrados desviando milhões em recursos do erário, agora se organizam e insiste em se manter na prática criminosa objetivando desestabilizar a gestão para que possam voltar às tetas da Prefeitura.

 

E tudo isso acontece nas barbas do MPE e MPF, desdenhando, usando até o próprio nome da instituição para espalhar mentiras.

Até quando o Ministério Público vai aceitar que esse bando continue com suas práticas criminosas?

Quando será que “os dois envolvidos com foro privilegiado” serão alcançados pela delação premiada que dorme no STF?

Até quando o MP aguentará ser usado e desafiado?

Com a palavra o MP estadual e federal.

 

Dércio Alcântara

Tags: Tags: