Fale Conosco

O polêmico caso que envolve o cunhado do escolhido pelo prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSD) para representar seu legado na cidade, o ex-secretário Chefe de Gabinete da PMCG, Bruno Cunha Lima (PSD), ganhou mais um capítulo. Ao observar que o diretor clínico do Hospital Pedro I e responsável pelo Hospital de Campanha para os pacientes acometidos pela Covid-19, também instalado no mesmo local, Tito Lívio Vieira de Souza e Cavalcanti, que é cunhado de Bruno, fez uso da sua empresa para prestar serviços ao hospital que coordena, podendo ter cometido a infração de tráfico de influência, este também foi o beneficiado de tais pagamentos a este hospital no total de R$ 72.300 referentes aos meses de maio, junho e agosto de 2020. Ainda ontem (25.08.2020) um incêndio foi registrado nas instalações do Hospital Pedro I, o que ocasionou uma transferência imediata de alguns pacientes.

Conforme se observa pelo Sistema de Acompanhamento Online do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), no mês de maio deste ano, o Dr. Tito Vieira de Souza e Cavalcanti, que é cunhado de Bruno diretor clínico do Hospital Pedro I e responsável pelo Hospital de Campanha para os pacientes acometidos pela Covid-19, fez uso da sua empresa T&G Consultório Médico LTDA – ME (CNPJ n° 30.557.090/0001-87), para receber R$ 7.500, referentes a supostos plantões prestados no hospital que coordenada (N° do empenho: 0003748). Da mesma forma no mês de junho recebeu R$ 36 mil (N° do empenho 0004439) e neste mês de agosto R$ 28.800 (N° do empenho 0004439), o que totaliza R$ R$ 72.300, que o diretor do hospital autorizou em pagamentos para se mesmo. Vejam detalhes, nos anexos ou no link do TCE: https://sagresonline.tce.pb.gov.br/#/municipal/fornecedores

O Hospital Pedro I e o Hospital de Campanha são os principais pontos recebedores de recursos federais para o combate a pandemia do Covid-19 na gestão Romero e a dúvida que fica é se o diretor do complexo Pedro I poderia contratar serviços da sua própria empresa para prestar serviços à unidade hospitalar da qual é diretor pagando a se mesmo, cometendo um tráfico de influência.

Veja os elogios de Romero pela função de confiança que deu ao cunhado de Bruno Cunha Lima, a partir dos 52 segundos dessa live do prefeito realizada em 10 de julho deste ano, ou no anexo da matéria: https://www.instagram.com/tv/CCdz7izFsc0/?igshid=k4zvyrg3xda8 ou ainda no link:

Incêndio no Hospital Municipal Pedro I – Um curto circuito em um gerador deixou o Hospital Municipal Pedro I, referência para tratamento da Covid-19 em Campina Grande, sem energia elétrica. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, parte dos pacientes internos no local foram transferidos para o hospital de campanha, localizado no mesmo complexo da unidade de saúde. https://www.pbagora.com.br/noticia/paraiba/urgente-incencio-atinge-hospital-pedro-i-e-pacientes-sao-transferidos-para-hospital-de-campanha/

Caso Energy Eletricidade LTDA – Sobre o caso da empresa Energy Eletricidade LTDA, que tem o CNPJ: 00.749.777/0001-53, e tem a mulher e a filha do atual presidente da Empresa de Urbanização da Borborema (Urbema) Luiz Alberto como sócias-administradoras. Este caso se refere a um contrato firmado em 2015 e concluído em 2016 pela gestão do prefeito Romero Rodrigues (PSD), para a iluminação pública em LED da Avenida Manoel Tavares, em Campina Grande, feita pela empresa Energy Eletricidade LTDA, que tem o CNPJ: 00.749.777/0001-53 (Veja:https://cnpjs.rocks/cnpj/00749777000153/energy-eletricidade-ltda.html), e sócias-administradoras a mulher e a filha (Maria Salete de Freitas Leite e Danielle de Freitas Leite), respectivamente, do atual presidente da Empresa de Urbanização da Borborema (Urbema) Luiz Alberto, que na época do contrato era secretário de Desenvolvimento Econômico da atual gestão Romero, o que pode se configurar em mais um caso de tráfico influência na PMCG. Veja as matérias da época que comprovam tal falto: http://abrasi.org.br/clipping/1625/associados

“A Prefeitura Municipal de Campina Grande investiu mais de 600 mil reais na modernização da iluminação pública da Avenida Manoel Tavares, dentro do eixo estratégico de implantação e melhoria de toda a rede de iluminação do município”, explicou Romero Rodrigues no dia da entrega. No site da empresa Energy Eletricidade, na sessão obras realizadas, consta tal obra a empresa: http://energyeletricidade.com.br/new/obras-realizadas/, bem como na imagem em anexo. Em diversos releases da época enviados pela Coordenadoria de Comunicação da prefeitura também confiram tal fato, bem como vídeos institucionais: https://www.facebook.com/watch/?v=2563939530525180&extid=HirrC9vB4H7xGEMN ou na matéria: https://www.jornaldaparaiba.com.br/vida_urbana/romero-assina-ordem-de-servico-para-iluminacao-de-led-em-campina-grande.html

Vale ressaltar um detalhe: veículos da empresa Energy Eletricidade LTDA foram vistos nesta semana no Açude Velho, repondo iluminarias danificadas, como mostram as imagens em anexos, o que comprova que ainda hoje o contrato está valendo.

Irmã e cunhado de Romero já foram agraciados com mais de R$ 2 milhões da PMCG

Mais um caso de parentes sendo beneficiados na gestão do prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues (PSD), vem à tona, desta vez cabe à irmã do prefeito, Izabel Veiga de Oliveira (Professora nível I e Coordenadora de Educação do Município- cargo comissionado) e do cunhado do prefeito Antônio Hermano de Oliveira (Presidente do IPSEM na gestão Romero–cargo comissionado), ambos juntos já receberam da PMCG, mais de R$ 2 milhões em vencimentos salariais. Há poucos dias a população da cidade, também teve acesso a dados que comprovam que a empresa do cunhado do seu pré-candidato Bruno Cunha Lima (PSD) presta serviços ao órgão que coordena, bem como que seu atual presidente da Empresa de Urbanização da Borborema (Urbema) Luiz Alberto tem sua esposa e filha com empresa que prestou serviços a gestão Romero, no período em que Luiz Alberto era secretário de outra pasta.

Desta vez o caso se refere, aos vencimentos salariais da irmã do prefeito, Izabel Veiga de Oliveira (Professora nível I e Coordenadora de Educação do Município- cargo comissionado) que segundo o Sagres do Tribunal de Constas do Estado (TCE-PB) somente de janeiro de 2015 á junho de 2020, recebeu R$ 707.181,71, somando os anos de 2013 e 2014, os valores perpassam a casa de R$ 1 milhão. Vale ressaltar que enquanto isso os professores da rede municipal de Campina vem reivindicando tão somente os seus direitos constitucionais, apontando diversos problemas no pagamento, como descontos e ausência do pagamento de gratificações, veja detalhes: https://paraibaonline.com.br/2020/05/sintab-faz-apelo-por-regularizacao-no-pagamento-dos-servidores-da-educacao-de-cg/

Neste sentido também, o cunhado do prefeito e atual presidente do IPSEM que é responsável pelo pagamento dos aposentados, muitos destes professores aposentados, que vem reclamando de descontos ilegais de empréstimos consignados em seus contracheques. Veja detalhes:https://paraibaonline.com.br/2020/07/sintab-exige-que-prefeitura-negocie-suspensao-de-emprestimos-dos-servidores/, este Antônio Hermano de Oliveira que segundo o Sagres do Tribunal de Constas do Estado (TCE-PB) somente de janeiro de 2015 á junho de 2020, recebeu R$ 879.341.0471, somando os anos de 2013 e 2014, os valores perpassam a casa de R$ 1 milhão. Portanto somando os gastos da gestão Romero, com sua irmã e seu cunhado os valores passam da casa dos R$ 2 milhões em pagamentos salariais. Segue em anexo, os prints, ou basta se acessar o link do TCE-PB: https://sagresonline.tce.pb.gov.br/#/municipal/pessoal/servidores