Notícias

Criança de 12 anos é atingida por tiro durante assalto, não resiste e morre

Um menino de doze anos foi baleado nas costas, durante um assalto nas proximidades da Empasa em Campina Grande, quando dois homens armados renderam o garoto com seu pai o agricultor Paulo Silva morador de Lagoa Seca, que tinha saído com seu filho às 04h em direção ao local.

Paulo e seu filho Lucas Araújo Silva cumpriam na madrugada desta quinta-feira (24), mais uma dia de rotina a Empasa, quando ao chegarem ao local foram abordados pelos criminosos que anunciaram o assalto. Paulo numa primeira reação tentou fugir, foi quando os bandidos dispararam atingindo seu filho fatalmente nas costas. Os bandidos se evadiram do local, após ver o menino baleado.

No dia de ontem (23), ocorreu às 22h um roubo de um veículo Fox de cor prata no bairro do Catolé, do proprietário Sales que ao próximo ao clube Campestre, foi abordado por dois bandidos que levaram seu carro.

Prissões – A polícia prendeu ontem (23) a senhora Lucicleide Andrade moradora do bairro do Centenário em Campina, acusada de agredir seu filho de apenas 9 meses como sua sogra. Ao chegar no local os policiais averiguaram que Lucicleide estava visivelmente embriagada. Ela foi levada para a central de polícia onde foi aberto inquérito de agressão contra menor e sua sogra.

A atendente Daniele Sousa, moradora do Catolé teve seus pertences recuperados após a polícia prender nas proximidades do Instituto dos Cegos os acusados de levarem vários de seus pertences num assalto às 21h50 quando chegava na sal residência. 

“Não quero nem saber: matava dois, três, quatro…”, diz homem que se preparava para “invadir” o Pedregal.

Ao menos essa foi a “certeza” que ele passou ao ser indagado pela imprensa nesta quarta-feira (23/10), quando teve oportunidade de “se defender” das acusações de formação de quadrilha, homicídios, invasões de casas, tráfico, furto e roubo, após uma coletiva da polícia que apresentou duas quadrilhas de pessoas envolvidas com vários crimes em Campina Grande.

João Batista disse que se preparava para “derrubar gente no Pedregal”, mas por causa da polícia isso não aconteceu.”Eles expulsaram minha família de um barraco. Tenho uns inimigos, mas não vou dizer o nome. Se vier pra cima de mim eu mato dois, três, quatro… Num sei… Tem um bocado, num quero nem saber”.

Entenda o caso – Na terça-feira (22) Policiais Militares do 2ºBPM prenderam João Batista de Oliveira, Edilson Rodrigues da Costa e apreenderam três adolescentes.

Eles são acusados de fazer parte de uma quadrilha que vinha invadindo casas e provocando o terror em Campina Grande, nos últimos meses.

Parte do bando também é acusada de homicídios.A captura ocorreu no bairro Monte Santo.Foram apreendidos: uma pistola 380, dois revólveres calibres “38” e uma espingarda calibre “12”.

Segundo o Ten. Cel. Souza Neto, comandante do 2ºBPM, as armas (principalmente a espingarda calibre “12”) seriam usadas para uma chacina no Pedregal.

Já de acordo com a delegada Maíra Roberta, com a prisão de João Batista de Oliveira e Edilson Rodrigues da Costa, a morte de um ex-presidário na Ramadinha, segunda-feira (21), está elucidada.