Fale Conosco

Presidente do PSB, Campos desligou da tomada o fio de Ciro Gomes. Em privado, ele se autoproclama a única alternativa presidencial de sua legenda.

Ligado a Lula por laços que extrapolam a política, Eduardo Campos distancia-se gradativamente do PT.

No penúltimo gesto, aliou-se a Gilberto Kassab. Na Câmara, juntou os votos do seu PSB aos do PSD do prefeito de Kassab.

Unida, a dupla passou a controlar 83 cadeiras -três a mais que o PMDB, três a menos que o PT.

Vitaminado por Kassab, Campos virou, por vias tortas, um cotista majoritário do condomínio governista.

No último gesto, o madarim do PSB desafiou a hegemonia do PT na capital pernambucana. De aliado, passou a antogonista.

Aproveitando-se da debilidade de João Costa, prefeito petista de Recife, Campos levou ao noticiário um candidato próprio à eleição municipal de 2012.

Contra a reeleição de Costa, o governador empina a candidatura de Fernando Bezerra Coelho, o amigo que o representa no ministério de Dilma (Integração Nacional).

Ex-aliado automático, o PSB ameaça tornar-se um estorvo para o projeto do PT de elevar o número de prefeituras no Nordeste.

Além de Pernambuco, o PSB comporta-se como adversário do PT em pelo menos mais três Estados: Piauí, Ceará e Paraíba. onde o governador Ricardo Coutinho já vive as tapas com o PT local e trabalha para sufocar a candidatura do petista Luciano Cartaxo.

De resto, Campos é, hoje, o governista com mais trânsito na oposição. O PSB apoia formalmente os governos tucanos de Minas, do Paraná e de Alagoas.

Em São Paulo, plantou o deputado Márcio França, presidente do diretório estadual do PSB, no secretariado de Geraldo Alckmin.

Em Pernamuco, Campos atingiu o ideal de Lula: governa praticamente sem oposição. Promoveu uma cooptação em massa dos prefeitos do PSDB.

Isolou o DEM e tenta anular o PMDB do senador e ex-governador Jarbas Vasconcelos, hoje uma feroz e solitária voz oposicionista no Estado.

Ao quebrar lanças para acomodar a mãe, Ana Arraes, numa cadeira do TCU, Campos revelou-se um adepto das piores práticas coronelistas.

A despeito disso, vende-ae nacionalmente como gestor moderno, adepto da meritocrafia e cultor do regime de metas administrativas.

Há cerca de um mês, em conversa com uma liderança do PMDB do vice-presidente Michel Temer, Campos permitiu-se esboçar os cenários com os quais trabalha.

Num primeiro panorama, Dilma Rousseff passa o resto do mandato falando de crise e chega à sucessão alquebrada, sem condições de pleitear a reeleição.

Nessa hipótese, a análise do governador desdobra-se em duas. Numa ramificação, Lula seria o candidato do PT. E Campos adiaria suas pretensões.

Noutra, Dilma iria à recandidatara na base do vai ou racha. Rachada, abriria espaço para que os governistas buscassem outro nome – de preferência o dele.

Num segundo cenário, Dilma atravessaria a crise sem grandes arranhões e c chegaria a 2014 com popularidade em alta. Nessa versão Campos passaria a mirar 2018.

Com escassos 46 anos, o governador imagina-se em condições de esperar. Em 2014, terá 49 anos. Dali a quatro anos, 53.

Um pedaço do PMDB receia que, faltam-lhe fôlego para o voo alto de 2014, Campos decida acionar o plano B: substituir Temer numa chapa encabeçada por Dilma.

 Com Blog do Josias e Folhaonline