Fale Conosco

O governador do Ceará, Cid Gomes, acha que “Eduardo Campos não vai ser candidato”. Por quê? “Ele não reúne no momento o mínimo de condições objetivas para ser candidato” à Presidência. As declarações foram feitas na noite passada, em entrevista ao programa Roda Viva.

Já excluído dos quadros do PSB, Cid comparou a conjuntura atual à da sucessão passada. Afirmou que o PSB viveu drama análogo. “Havia os que defendiam a candidatura própria, que era a do Ciro [Gomes]. E havia os que diziam: ‘é melhor a gente reforçar os projetos nos Estados.” Prevaleceu a segunda alternativa.

O governador aprofundou a comparação: “Ciro tinha 18% nas pesquisas, Eduardo Campos tem 4%. Mais: era o fim do ciclo do Lula. Portanto, nós estávamos mais ou menos a cavalheiro para iniciar um novo ciclo, com o nosso projeto. A Dilma está no meio. Participamos até hoje, os dois ministros [do PSB] ainda estão lá no governo dela. A gente vai, numa hora como essa, sair? E num momento que a gente vê que tem certa complicação. Isso pra mim passa uma ideia de oportunismo!”

Cid relatou encontro que teve com Dilma. Deu-se há duas semanas, no mesmo dia em que a Executiva do PSB decidiu desembarcar do governo federal. “Acabou a reunião, recebi um telefonema dizendo que a presidente queria falar comigo. No encontro que tive com ela eu disse: presidenta, insista com o Eduardo, tenho certeza que ele não tem segurança de que o melhor para ele é ser candidato. […] Insista com ele, acaricie, dê carinho, todo mundo gosta disso.”Segundo o relato de Cid, Dilma lhe disse que iria pensar. Viajou para os EUA sem receber de volta os ministérios controlados pelo PSB -Integração Nacional e Portos. “Foi uma sugestão que eu dei pra ela.” 

A despeito de apoiar a candidatura reeleitoral de Dilma, Cid não cogitava deixar o PSB. Alega que “houve um gesto de hostilidade.”Uma delegação do PSB foi ao Rio de Janeiro para convidar Luizianne Lins (PT), adversária dos irmãos Cid e Ciro Gomes, a ingressar no partido e disputar o governo do Ceará em 2014.

Em telefonema a Eduardo Campos, Cid se queixou e disse que teria sido mais simples pedir que ele saísse da legenda. O interlocutor respondeu que não sabia do convite feito a Luizianne. E Cid: “Sinceramente, não acreditei.”Nesta terça, Cid reúne seu grupo político para decidir a que partido irão se filiar. São duas as opções: o novíssimo Pros e o tradicional PDT. Durante a entrevista, Cid discorreu sobre as vantagens e as desvantagens de cada opção. Mas recusou-se a antecipar qual deve ser a deliberação. Deputados federais do grupo do governador afirmam que a maioria deve optar perlo Pros.