Fale Conosco

Macartismo (em inglês McCarthyism) é o termo que descreve um período de intensa patrulha anticomunista, perseguição política e desrespeito aos direitos civis nos Estados Unidos que durou do fim da década de 1940 até meados da década de 1950.

Foi uma época em que o medo do Comunismo e da sua influência em instituições americanas tornou-se exacerbado, juntamente ao medo de ações de espionagem promovidas pela OTAN. Originalmente, o termo foi cunhado para criticar as ações do senador americano Joseph McCarthy, tendo depois sido usado para fazer referências a vários tipos de condutas, não necessariamente ligadas às elaboradas por McCarthy.

Durante o Macartismo, muitos milhares de americanos foram acusados de ser comunistas ou filocomunistas, tornando-se objeto de investigações agressivas. A maior parte dos investigados pertencia ao serviço público (como Alger Hiss), à indústria do espetáculo ( ex.Barbara Bel Geddes), cientistas (David Bohm), educadores e sindicalistas.

As suspeitas eram freqüentemente dadas como certas mesmo com investigações baseadas em conclusões parciais e questionáveis, além da magnificação do nível de ameaça que representavam os investigados. Muitos perderam seus empregos, tiveram a carreira destruída e alguns foram até mesmo presos e levados ao suicídio.

O Macartismo realizou o que alguns denominaram “caça às bruxas” na área cultural, atingindo atores, diretores e roteiristas que, durante a guerra, manifestam-se a favor da aliança com a União Soviética e, depois, a favor de medidas para garantir a paz e evitar nova guerra. O caso mais famoso nesta área foi Charlie Chaplin.

Os primeiros 100 dias do governo Ricardo Coutinho vai ficar marcado pelos primeiros 100 dias de Macartismo (ou Ricardismo) na administração publicado estadual.

Nestes 100 dias, jornalistas foram censurados, alguns foram mandados para casa para não poderem trabalhar nas repartições de origem.

Chegou ao ponto da Primeira Dama Pâmela Bório ir à redação de Secom pedir a cabeça de uma profissional que votou em Maranhão.

A caça às bruxas ronda todas as redações de jornais da Paraíba.

As pessoas falam baixinho, quando querem questionar o governo, temendo algum tipo de retaliação.

Jornalistas que são assumidamente de oposição são ignorados por colegas, que teme um contato com eles e perderem, depois, algum benefício do estado.

No Macartismo, a “caça às bruxas” perdurou até que a própria opinião pública americana ficasse indignada com as flagrantes violações dos direitos individuais, graças em grande parte à atuação corajosa do famoso e respeitadíssimo jornalista Edward R. Murrow na rede americana de televisão CBS, o que levou McCarthy ao ostracismo e à precoce decadência. Ele morreu em 1957, já totalmente desacreditado e considerado uma figura infame e uma vergonha para os americanos.

Muitos filmes foram produzidos sobre este período, todos retratando McCarthy e seus seguidores como figuras desprezíveis e a histeria que criaram como uma crise que foi superada. Dentre estes destaca-se Boa Noite e Boa Sorte dirigido por George Clooney e estrelado por David Strathairn, no papel do jornalista Edward R. Murrow. O filme narra os embates entre o jornalista e o Senador McCarthy, durante os anos 1950, que contribuíram na decadência do senador.

A esperança é de que o Ricardismo não continue se guiando pelo Macartismo. Não fica bem para um governo que se diz socialista está perseguindo jornalistas e artistas que não votaram nele.