Fale Conosco

O município de Patos, Paraíba, foi selecionado pelo ministério das cidades, para participar da primeira etapa do Programa cartão Reforma. Essa parceria do governo Federal com a Caixa Econômica, possibilitará que famílias de baixa renda adquiram materiais de construção para promover melhorias em suas residências.

Para ter direito ao benefício, o usuário deve preencher um cadastro e atender a algunss requisitos, tais como: possuir renda menor que R$ 2.811,00; ter mais de 18 anos ou ser emancipado; possuir apenas um imóvel (considerando o país todo, não apenas a cidade) e morar nele; e, ainda, a casa a ser reformada, deve estar localizada no bairro indicado no programa, pela prefeitura.

Em Patos, o bairro a ser beneficiado será o Conjunto José Mariz, para onde foram destinados 159 cartões-reforma. Para facilitar o acesso ao benefício, uma equipe da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Habitação fará uma busca ativa nas residências, à partir desta terça-feira, dia 23, quando iniciará o cadastro das famílias que atenderem aos requisitos.

De acordo com o secretário Desenvolvimento Econômico e Habitação, Jardelson Medeiros, o cartão-reforma não é empréstimo ou financiamento; e o beneficiário não terá que devolver o dinheiro posteriormente.

“Graças Deus Patos foi beneficiada com o cartão-reforma. Estaremos contemplando o bairro José Mariz, onde serão beneficiadas 159 famílias. A população não terá ônus nenhum, apenas receberá o cartão que garantirá a reforma de sua casa, seja: um banheiro, instalação elétrica, fossa séptica, etc. Isso vai trazer muitos benefícios para a população. O cartão-reforma serve para isso, para que você possa reformar sua casa e ter uma qualidade de vida melhor,” disse o secretário.

Jardelson explica, ainda, que o limite máximo de subsídio, em Patos, é de R$ 5 mil (cinco mil reais) por família, porém os valores pagos variam conforme o serviço a ser feito em cada residência: ampliação de casa com mais de três moradores; construção de banheiro; tratamento de esgoto e cobertura inadequada; instalações elétricas, hidrossanitário e de piso e revestimentos internos ou externos; pintura, reformar a cobertura e adaptar o imóvel para acessibilidade. “O valor vai depender da necessidade da casa, pode ser mil, dois mil, até cinco mil. Nós iremos até a população, visitando e cadastrando as pessoas para que elas possam estar aptas a receberem o beneficio,” concluiu Jardelson.

 

Fonte: Assessoria