Fale Conosco

Quando pensei em traçar um paralelo entre Pedro Collor e Coriolano Coutinho fiquei numa duvida danada sobre a diferença entre um querer detonar e o outro detonar sem querer. Pode parecer a mesma coisa, mas não é.

Coriolano é o terminal de qualquer investigação jornalística na Paraíba atualmente. Se o assunto são as Ocips lá está ele; se for Máfia da Merenda, também tem Cori; e agora descobrimos uma pegada desse gato pulando na Máfia do Lixo.

Pedro Collor tinha ciúme de PC e talvez Coriolano tenha ciúme de Nonato, mas nada que o leve a jogar o nome da família na lama. Aí está a diferença entre um e outro e só.

Uma ovelha negra que já esteve atrás das grandes por porte de maconha, Coriolano Coutinho incursiona por veredas que nem todos os integrantes do Coletivo RC tiveram a chance de enveredar.

Mas, como diz o ditado, nada é perfeito e quem anda fora da Lei sempre deixa rastros. E Coriolano deixou.

Não vou aqui ser leviano e tudo que disse até agora aconteceu, desde a prisão por porte de maconha, cuja advogada Nadja Palitot foi quem lhe defendeu, até a sua assinatura naquele contrato que transformou o gari em empresário.

Não há hoje figura mais suspeita do que Coriolano Coutinho.

Quando o prefeito cancelou a licitação da Máfia do Lixo hoje pela manhã o fez para evitar que as labaredas alcançassem a si próprio, mas ao cancelar deixou uma dinamite chiando no colo de Coriolano Coutinho.

É um caso grave e terá vários desdobramentos, mas não pensem que está dissociado da Máfia da Merenda, das interrogações no contrato das Ocips ou daquela licitação do lixo feita ainda no início da gestão do então prefeito Ricardo Coutinho.

Ao contrário, tudo faz parte da mesma engrenagem, do mesmo projeto, do mesmo esquema, do mesmo Coletivo RC.

A Polícia Federal, o Ministério Público e a Câmara de Vereadores só não agem se não quiserem.

O CORI GATE poderá levar Agra ao impeachment, mas ninguém é ingênuo para achar que Coriolano agiu sozinho.

Obediente e leal, ele cumpriu ordens. De quem? Vamos acabar chegando no Chefe.

Será que o gari aguenta pressão?