Fale Conosco

O presidente Jair Bolsonaro aproveitou a quinta-feira (04) para debochar, novamente, da situação da pandemia de Covid-19 no Brasil. Desta vez o alvo foi a compra de vacinas. Em conversa com apoiadores em Uberlândia ele disse:

“Tem idiota que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, [dizendo] ‘vai comprar vacina’. Só se for na casa da tua mãe. Não tem [vacina] para vender no mundo”, declarou.

Na ocasião, o presidente afirmou que editou medidas provisórias para destinar R$ 20 bilhões para compra de vacinas e que, neste mês, 22 milhões de doses devem ser entregues à população.

Entretanto, o governo Bolsonaro resistiu a comprar vacinas contra a Covid-19. Em outubro do ano passado, o presidente chegou a vetar a aquisição da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac e hoje usada no programa nacional de imunização.

E o Ministério da Saúde rejeitou uma oferta de venda da Pfizer feita em setembro do ano passado. A pasta decidiu assinar um contrato com o laboratório apenas nesta semana.

Bolsonaro também defendeu o veto que fez ao trecho de uma medida provisória proposta aprovada pelo Congresso que permitia a estados e municípios adotar medidas de imunização em caso de omissão do Ministério da Saúde.

O presidente argumentou que os governadores comprariam as vacinas, mas ele é quem teria de pagar, e disse que “onde tiver vacina para comprar, nós vamos comprar”.

Ainda em janeiro, Bolsonaro também voltou a defender o chamado tratamento precoce contra Covid-19, citando medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença. O presidente afirmou que indicar tratamento precoce a pacientes, “mais do que obrigação, [é] um direito do médico”.

Assista ao vídeo com a fala de Jair Bolsonaro clicando neste link.

G1