Fale Conosco

Jair Bolsonaro reagiu com um ruidoso silêncio à manifestação que seus simpatizantes fizeram neste domingo em duas dezenas unidades da federação. Foi a terceira incursão dos bolsonaristas às ruas desde o início do governo. Os atos foram menores que os anteriores, atiçados e celebrados pelo presidente nas redes sociais. Dessa vez, Bolsonaro e seu clã tomaram distância do meio-fio. Até a madrugada desta segunda-feira, o capitão não esboçara reação no Twitter nem no Facebook. Nenhuma palavra.

Há método no silêncio do capitão. Bolsonaro e o pedaço do asfalto que lhe é fiel passaram a trafegar em faixas opostas. O presidente frita Sergio Moro, gruda em Deltan Dallagnol a pecha de esquerdista, hesita em vetar artigos da lei de abuso de autoridade. Tudo isso e mais a proximidade com Dias Toffoli. A rua enaltece Moro, sonha com Deltan na chefia da Procuradoria, pede o veto integral à lei anti-Lava Jato. E ainda exige o impeachment de Dias Toffoli.

Como não tinha nada a dizer sobre as demandas dos seus apologistas, Bolsonaro se absteve de demonstrar seus paradoxos em palavras. Ao longo do final de semana, inúmeros internautas postaram comentários nas redes sociais instando o presidente a sintonizar-se com a rua. Um deles, identificado como Bunny Sam, conseguiu arrancar meia dúzia de palavras do presidente. Não deve ter gostado do que leu.

“Cuide bem do ministro Moro”, escreveu o internauta. “Você sabe que votamos em um governo composto por você ele e o Paulo Guedes.” Em sua resposta, Bolsonaro não disse se irá retirar Moro do micro-ondas. E ainda insinuou que não se considera um devedor do ex-juiz. “Com todo respeito a ele, mas o mesmo não esteve comigo durante a campanha.”

As informações são da coluna de Reinaldo Azevêdo.