Fale Conosco

Os dias do paraibano Marcelo Queiroga a frente do Ministério da Saúde estão contados.
E a armadilha, montada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro para a guilhotina de Marcelo Queiroga, não deixa margem para escapatória:
Ou o paraibano se transforma em um novo modelo Pazuello de subserviência ou respeita a ciência – sua base de formação.
A estratégia de degola é claríssima:
Com cara de desdém e tratando o ministro como, abre aspas, “Esse tal de Queiroga”, o presidente revelou que exigiu do paraibano uma recomendação para que pessoas vacinadas ou que já foram infectadas sejam desobrigadas a usar a máscara.
Bolsonaro sabe que está pedindo o impossível. E, mais uma vez, recuou – diante da repercussão negativa.
Pois todos os órgãos ligados a saúde e a comunidade científica recomendam a manutenção das máscaras e demais protocolos sanitários aos vacinados por um motivo inconteste:
As vacinas não são cem por cento eficazes para a blindagem do vírus. E, mesmo evitando a versão mais letal da Covid-19, está mais que provado que vacinados podem contrair o vírus e transmiti-lo.
Pelos cálculos dos cientistas, a retirada das máscaras só será possível quando pelo menos 70 por cento da população estiver imunizada.
O Brasil, graças as recusas sistemáticas do governo Bolsonaro para a aquisição de vacinas, está longe disso – registrando até aqui apenas 12 por cento de imunizados com as duas doses.
Marcelo Queiroga, portanto, só tem duas alternativas: ou pede pra sair ou enterra sua história. Pois o presidente pode até ter recuado, mas o recado foi dado e de forma muito clara.
E enterro é o que não falta no cenário brasileiro, que caminha para sepultar meio milhão de vítimas da Pandemia.
Nada que extraia do presidente qualquer empatia.
O líder máximo do país, que já imitou uma pessoa morrendo asfixiada e soltou um “e daí, não sou coveiro” diante dos recordes de mortes no país, voltou a mostrar sua pior face.
Pois a forma escolhida por Bolsonaro para tentar se livrar do ministro que nunca quis e que foi imposto pelo centrão – orientando a população tirar as máscaras que nos protege do vírus – é um soco da dura realidade na cara da população:
Ou estamos lidando com um lider mentalmente prejudicado.
Ou com um presidente que despreza totalmente a vida dos brasileiros.

Assista: