Fale Conosco

Quando eu digo que o governo se dividiu em dois, feito dragão de duas cabeças, podem interpretar ao pé da letra, pois Ricardo e Cássio são as duas faces da mesma moeda e nesse jogo ambos são cara.

Invoco o episódio ocorrido ontem em Guarabira para traçar um paralelo sobre a intolerância de ambos com a imprensa.

Como pode Cássio chamar Ricardo de ditador se na primeira oportunidade de mostrar que é coroa repete contra jornalistas o mesmo modus operandi do governador?

Nesta gestão do PSB/PSDB nós comemos o pão que o diabo amassou e o histórico de colegas perseguidos, humilhados, demitidos e processados deixaria essa matéria muito longa se fosse citar caso a caso.

Custava os truculentos e desnecessários seguranças do PSDB dialogarem com o jornalista agredido? Edcarlo Monteiro é o nome dele e estava no exercício da profissão. Que ameça ele representava? Mostrar a verdade que queriam esconder? 

Primeiro que não entendo a presença de seguranças e militares a paisana no evento, pois era um consulta interna, mas aberta ao público e se Cássio resolveu abrir o leque deve está preparado para ouvir aplausos e vaias, o sim e o não, o que é a favor e o contraditório.

Mas até nisso a história se repete e a intolerância da segurança truculenta do PSDB é o reflexo do modelo de gestão que a Paraíba rejeita.

Cássio envelheceu, engordou, mas não aprendeu. Continua o mesmo bipolar de sempre. Um coronel disfarçado.

Abaixo a ditadura! Todas.

Nota de Repúdio

A Associação Guarabirense de Imprensa-AGI, manifesta publicamente seu repúdio a violência sofrida pelo seu associado, Edcarlo Monteiro, Repórter da Rádio Rural de Guarabira, agredido nos direitos de suas funções, no dia 23/03/2014, pelo Tenente Coronel Souza Neto, que o impediu de forma autoritária e truculenta, arrancando das mãos e desligando o celular do repórter, no momento que filmava uma cobertura jornalística na Câmara Municipal De Guarabira, impedindo do mesmo exercer suas atividades profissionais.

A Entidade representativa da categoria destaca ainda nesta NOTA, A Lei de Imprensa, nº 5.250 de 09 de fevereiro de 1967, em seu Capítulo I Artg 1º que diz: É livre a Manifestação do Pensamento e a Procura, o recebimento e difusão de informações ou ideias, por qualquer meio e sem dependência de censura, e que a Entidade não pode se omitir diante de cerceadores da Liberdade de informar, que se utilizam do Poder Econômico e Político, tentando castrar o direito do povo ser informado.

Esta Entidade lembra ainda, que num país democrático, a repressão a LIBERDADE DE IMPRENSA, pode ser considerado um atentado a própria sociedade e sobretudo, de questões políticas públicas que são suportes vitais de qualquer democracia e que os cidadãos e os seus representantes eleitos reconheçam que a Democracia depende de acesso mais amplo possível a ideias, dados e opiniões, não sujeitos a censura.

Guarabira, 24 de março de 2014

Angelita Lucas

Presidente da AGI