Fale Conosco

A divisão de riquezas e distribuição de renda no Brasil parece realmente ser uma utopia. A maioria das cidades e nossa população são pobres

 Será que o brasileiro ainda acredita que o governo se preocupa com ele? Ou se preocupa em tomar algumas medidas do tipo bolsa família para nos dar um cala boca e ganhar alguns milhões de votos?

É incrível como em nosso país os investimentos só se concentrem nas capitais, principalmente, nas localizadas no Sudeste. E olhe que lá é mais barato para uma fábrica se instalar.

Ora, se esta região já é rica e oferece todas as condições necessárias – grandes portos, aeroportos, BRs largas etc – para a instalação de indústrias, o óbvio seria que lá fosse mais cara a instalação de fábricas do que nas outras regiões, a exemplo do Norte e Nordeste. Mas, o governo parece não se importar com isso e nada faz para beneficiar o restante do Brasil, fazendo com que a concentração de renda continue no Sudeste.

Confira a notícia abaixo

Pois o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro está concentrado em poucas cidades. Seis capitais são responsáveis por 24,9% de tudo o que o país produz em riquezas. São Paulo detém 11,8% do PIB nacional, seguido por: Rio de Janeiro (5%), Brasília (4%), Curitiba (1,4%), Belo Horizonte (1,4%) e Manaus (1,3%).

Os dados fazem parte da pesquisa Produto Interno Bruto dos Municípios 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada hoje (12). Somadas, as riquezas dessas seis cidades, que abrigam 13,7% da população, correspondem a um quarto da geração de renda nacional.

Em todo o Brasil, com 5.565 municípios, metade de toda a renda nacional é produzida por apenas 54 municípios. A outra metade do PIB é dividido entre os demais 5.511 município.

De forma geral, as capitais concentram especialmente atividades do setor de serviços, como bancos, financeiras, comércio e administração pública, exceto o caso de Manaus, onde existe uma participação maior do setor industrial, por causa da Zona Franca.

Fora as capitais, 11 municípios se destacam na participação do PIB, todos com equilíbrio entre serviços e indústria, agregando 8,6% da renda do país: Guarulhos (SP), com 1%; Campinas, 1%; Osasco, 1%; São Bernardo do Campo (SP), 0,9%; Betim (MG), 0,8%; Barueri (SP), 0,7%; Santos (SP), 0,7%; Duque de Caxias (RJ), 0,7%; Campos dos Goytacazes (RJ), 0,7%; São José dos Campos (SP), 0,6%; e Jundiaí (SP), 0,5%.

A concentração de renda é um fenômeno presente em todo o país, com maior ou menor grau. Na Região Norte, com 449 municípios, 50% da renda é produzida por apenas seis municípios. No Nordeste, o fenômeno da concentração também é evidente, com 21 dos 1.794 municípios responsáveis por agregar metade da renda regional.

No Sudeste, 50% da renda é produzida por apenas 15 dos 1.668 municípios. No Sul, com 1.188 municípios, 27 deles respondem por 50% da renda. No Centro-Oeste, com 466 municípios, somente Brasília responde por 42,8% do PIB.

 

Fonte: Yahoo